Yairimar Coll (Português)

Maine foi exposta no Roberto Mata Photography Workshop

Inauguração da exposição de fotografia Maine / Photo: Yairimar Collp>Inauguração da exposição de fotografia Maine / Photo: Yairimar Coll

No sábado, 26 de Abril, por volta das 10:00 da manhã., o Roberto Mata Photography Workshop abriu as suas portas para receber pessoas interessadas em conhecer o Maine; foi assim que Don Úngaro intitulou o trabalho que realizou na província francesa do Maine, localizada no nordeste dos Estados Unidos.

A exposição de fotografia estava muito cheia no dia da sua abertura. Amigos, familiares e colegas do artista estiveram presentes nesse dia. Roberto Locher, fotógrafo, que assegurou não conhecer o trabalho que Don fez, disse: “É uma obra interessante, a primeira vez na edição fotográfica de um jovem artista que vejo que há um conteúdo”

A jornalista Valentina Quintero, também, assistiu e confessou: “Don é como se fosse meu filho, a mãe e o pai dele são meus compadres”. Quanto às fotografias, ela disse: “Nunca pensei que pudesse ver uma fotografia de Don nostálgico, triste, triste, tão íntimo, mostrando os seus sentimentos de uma forma frontal, tão clara, e que ele a consegue com esta beleza, com este plástico: é precioso.

Meanwhile, as pessoas que chegavam ao local contemplavam e admiravam o que a lente de Don Úngaro capturou nas paisagens frias do Maine. Solidão, tensão, ansiedade e afastamento são alguns dos conceitos que foram registados no seu trabalho.

Roberto Mata, fundador da oficina de fotografia, esteve no evento e disse conhecer Don Úngaro, porque era seu aluno e também trabalhou com ele. Por sua vez, ele disse que as fotografias são extraordinárias para o nível de reflexão.

No outro extremo da sala estava Don Úngaro, que estava muito entusiasmado, pois era a primeira vez que se atrevia a mostrar as suas fotografias em público. Disse que tinha estado a estudar e a trabalhar no Maine e sentiu-se pronto para revelar a sua obra-prima. “Não o planeei nem o procurei”, disse ele.

De Caracas, uma cidade tão ocupada e tão caótica, Don foi para o lugar mais solitário. “É frio, distante, remoto. E com isto não quero que as pessoas pensem que o Maine é assim, muito pelo contrário. É um belo lugar a nível fotográfico e a nível estético”, disse ele. Quanto às expectativas que ele tinha dito: “Eu sou a pessoa mais negativa do planeta, esperava que apenas 3 pessoas viessem, e vejo que este número de pessoas já é um feito”

Finalmente, ele notou que Ricardo Peña e Roberto Mata o ajudaram a finalizar o projecto e os seus pais “deram uma mão” com a organização do evento. “Nas fotografias há duas personagens: eu, quando podia e, quando a fotografia não me permitia por razões de distância ou o matiz da câmara não me dava, disse ao meu amigo, que estudou comigo lá e devo muito crédito a ele, Francisco Sabatier, “acrescentou ele.

Autor: Don Úngarop>Autor: Don Úngaro

Foto alcançado por Don Úngarop>Foto alcançado por Don Úngaro

Fotografia de Don Úngaro

Outra das muitas fotografias de Don Úngaro

p>No fundo, Don Úngaro, que foi muito gentil ao conceder entrevistas / Foto: Yairimar Coll

Roberto Mata partilhando com a audiência presente / Foto: Yairimar Coll

Roberto Mata sharing with the attendance public / Photo: Yairimar Coll

Pessoas contemplando as fotografias feitas por Don Úngaro / Photo: Yairimar Coll

Pessoas contemplando as fotografias feitas por Don Úngaro / Photo: Yairimar Coll

p>Pessoas contemplando as fotografias feitas por Don Úngaro Yairimar Coll

As pessoas presentes no evento estavam a contemplar e a conversar sobre o trabalho de D. Úngarop>As pessoas presentes no evento estavam a conversar sobre o trabalho de D. Úngaro / Foto: Yairimar Coll

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *