Templo maçónico

A distribuição e decoração do templo respondem a objectivos simbólicos.

O templo consiste numa sala rectangular com um único espaço e sem janelas. É definida como uma representação do mundo e do Cosmos. É simbolicamente orientado de oeste para leste (oeste para leste) sobre a sua longitude, de septentrião (norte) ao meio-dia (sul) sobre a sua largura, e de nadir ao zénite sobre a sua elevação. Por vezes, uma linha de prumo é suspensa sobre o centro do templo. O chão é formado por um mosaico (normalmente decorado como um chão quadriculado, ou seja, com quadrados alternados a preto e branco), quer na sua totalidade, quer pelo menos num rectângulo central.

O portão do templo está localizado no lado oeste (ocidental). De ambos os lados do portão, existem duas colunas, chamadas Hakin ou Jakin e Boaz. Dependendo dos ritos, são colocados de formas diferentes: no rito escocês, Boaz está no norte e Jakin ao meio-dia; é o oposto nos ritos franceses e egípcios.

Para leste, há um estrado elevado, alcançado por pelo menos três degraus: neste estrado está o trono em que o Venerável Mestre toma o seu lugar. Os corrimões de cada lado da escada separam o Oriente do resto do templo.

Ao norte como o meio-dia, ao longo das paredes, são os assentos, chamados “colunas”. É lá que os maçons têm lugar durante as cerimónias.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *