QUALIDADE DEFICIENTE E BAIXA COBERTURA

O desenvolvimento de competências é uma condição necessária para alcançar o desenvolvimento humano e nacional. Na Colômbia, os estabelecimentos de ensino inibem e, na maioria dos casos, impedem:Em análises sobre a questão educacional, salienta-se que o problema central deixou de ser a cobertura, uma vez que, de acordo com os números, entre 1985 e 1993 a cobertura primária líquida cresceu 15% e a cobertura secundária 14%, com a cobertura primária a atingir 81% e a cobertura secundária a atingir 45%, o que é considerado um grande feito.

Sem dúvida que este crescimento ainda é baixo e insuficiente para satisfazer a procura existente. O problema actual reside na baixa qualidade da educação, reflectida nos elevados níveis de abandono e repetição.

Melhorar a qualidade da educação implica a participação activa do Estado, das instituições e da sociedade. É esta última que deve reclamar a criação dos instrumentos necessários para a avaliação da qualidade da educação, bem como o desenvolvimento e implementação de estratégias necessárias para elevar essa qualidade.

O acima exposto é corroborado pelo rápido crescimento do sector da educação privada no ensino primário o sector privado aumentou a sua quota-parte em 2,1 pontos percentuais; passou de 15,08 para 17 pontos percentuais.2% e no ensino superior passou de 40,6% para 61,3%, aumentando a sua participação em 20,07 pontos percentuais no período 1958 – 1993.

As causasBaixo investimento público: a maioria dos recursos são atribuídos ao pessoal e, em geral, às despesas operacionais; os textos e o material didáctico não são adquiridos, nem o equipamento informático para estimular a aprendizagem, nem as bibliotecas são implementadas. Há uma falta de sistemas eficientes e adequados de avaliação de professores e alunos. Por outro lado, as despesas por aluno são ainda demasiado baixas em comparação com outros países.

-Baixo reconhecimento dos professores: a preparação inadequada dos professores é evidente; muitos deles trabalham sem graus; em média, 25% dos professores na América Latina e Caraíbas não possuem um diploma ou certificado profissional; os seus salários, na maioria dos casos, não são proporcionais às suas funções e capacidades. Em suma, falta um sistema de formação, selecção e remuneração que lhes crie incentivos para reforçar e expandir os seus conhecimentos.

Tradicionalismo pedagógico: a baixa qualidade da educação pode ser caracterizada da seguinte forma: O conhecimento é repetido, a informação é transmitida, a obrigação do Knowledgean, o Professor um Ditador, a caracterização é caracterizada, o Estudante passivo, a avaliação reprime, o ensino só se sabe, o espaço fechado (cara a cara), a formação de produto e tecnologia, a língua do quadro de giz.

Politização do sistema educativo: com cada nomeação de Ministro (aproximadamente todos os anos) ocorrem nas políticas educativas. A nível sindical, a avaliação e selecção são impedidas, não são exigidas alterações e oportunidades para melhorar o nível de formação e, com ela, a qualidade dos professores; apenas reivindicações salariais, sem ter em conta o desenvolvimento profissional. Do mesmo modo, há a particularização de interesses no momento de investir e fazer reformas, ao ponto de o mesmo Ministério da Educação Nacional (MEN), estar sujeito a exigências sindicais e outros grupos de pressão.

Consequências – poucas hipóteses de melhorar a qualidade de vida.

-Sistema educativo iníquo, discriminatório e ineficiente.

-Educational gaps: Existe o gap Exterior Colômbia onde se pode ver que a Colômbia se classificou em 43º lugar em 44 países em testes de matemática e ciências. A nível nacional, o fosso rural-urbano aumenta, especialmente no ensino secundário; não há oportunidade a nível superior, não só devido à falta de recursos financeiros, mas também devido à inexistência de instituições rurais de ensino superior.

– A concentração de professores nas áreas urbanas também é observada em 75%, atribuindo uma baixa percentagem às áreas rurais (25%); aqueles que se instalam ou são atribuídos ao campo gozam de menos oportunidades do que aqueles localizados nas grandes cidades.

O fosso entre as escolas privadas-oficiais, pode ser corroborado pela diferença nas pontuações do ICFES.

BibliografiaFonte: Boletim de Estatísticas Educativas. 1995. Ministério da Educação NacionalIcfes: Estatísticas do Ensino Superior 1996-Planning and Development Magazine, vol XXVIII #1 Janeiro-Março 1997 p. 16.

-AVILA A. Rosa, Misión Ciencia, Educación y Desarrollo Tomo 7 1995 página 10.

-FACUNDO D. Angel H. Crecimiento y Desarrollo Educativo en Colombia, Misión Ciencia, Educación y Desarrollo, Tomo 7 1995 página 420.

-UNESCO, World Education Report, 1995.

-PREAL Report of the National Commission on Education, Equity and Economic Competitiveness. Abril de 1998. P. 12.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *