O Grão-Ducado do Luxemburgo, história europeia

Aproxime-se da história do Grão-Ducado do Luxemburgo, um dos mais pequenos países da Europa, mas um dos mais encantadores. As florestas luxuriantes das Ardenas povoam quase todo o território deste pequeno Estado, presente na vida política do Velho Continente há mais de 500 anos.

O Grão-Ducado do Luxemburgo é o único país do mundo a beneficiar da designação de Grão-Ducado. Anteriormente, outros países – Lituânia ou Finlândia – eram também grand duchies. O Luxemburgo alcançou este estatuto em 1815, embora não fosse um Estado de pleno direito até 1867. Até hoje, o chefe de Estado luxemburguês é o Grão-Duque Henrique de Nassau.

O Palácio Ducal, a residência do Grão-Duque, é sem dúvida um dos edifícios que melhor capta a história do Luxemburgo. Este impressionante palácio gótico era originalmente a Câmara Municipal da cidade do Luxemburgo. A história do país está escrita nas paredes desta mansão, uma das mais importantes atracções turísticas.

A história do Grão-Ducado do Luxemburgo está enraizada na Idade Antiga. No Museu de História e Arte pode encontrar artefactos arqueológicos inestimáveis das culturas celtas, romanas e germânicas que habitaram as florestas profundas das Ardenas. Estes povos foram, de facto, os primeiros a povoar este país.

Contudo, durante a Idade Moderna, o que é agora o Grão-Ducado do Luxemburgo tornou-se um dos territórios mais cobiçados de toda a Europa. Durante estes séculos, passou de mão em mão das principais potências europeias em luta na Flandres ou na Borgonha: Espanha, Holanda, França ou Alemanha passaram a possuir este território em algum momento, quer por guerras ferozes, quer por alianças matrimoniais.

Graças ao domínio espanhol, o Luxemburgo conserva uma das suas atracções históricas mais interessantes. Na Cidade Velha do Luxemburgo – agora Património Mundial – encontrará as casematas espanholas, uma vasta rede de túneis e galerias que aproveitaram as cavernas naturais do Petrusse e foram construídas em 1674. A eficácia defensiva das casematas espanholas é tal que, mesmo na Segunda Guerra Mundial, elas desempenharam um papel decisivo na luta pela praça.

Para além das casematas, o Luxemburgo preserva também restos das várias estruturas defensivas utilizadas durante os séculos XVI, XVII e XVIII. Os restos das muralhas ou torres são uma das grandes atracções turísticas do Grão-Ducado do Luxemburgo. Cada império que assumiu o poder deste pequeno estado melhorou e adaptou estes sistemas defensivos. Desta forma, o Luxemburgo é um livro aberto fascinante para a compreensão da guerra europeia durante a Idade Moderna.

Através da fascinante história do Grão-Ducado do Luxemburgo irá descobrir um dos países mais interessantes do Velho Continente, que conseguiu tirar o melhor de cada império que possuía a cidade e transformá-la em importantes monumentos turísticos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *