Mireia Belmonte aproxima-se do pódio no 800 freestyle

Budapest, 29 de Jul (EFE) – a espanhola Mireia Belmonte, campeã olímpica nas 200 borboletas, falhou uma medalha no 800 freestyle no Campeonato Mundial ao terminar em quarto lugar atrás da americana Katie Ledecky, a chinesa Bingjie Lie Lie e também da americana Lea Smith.

Belmonte, ouro nas 200 borboletas e prata nos 1.500, terminou em 8:23.30, quase cinco segundos acima do tempo que tinha acreditado e repete a mesma posição alcançada no Verão passado neste evento nos Jogos do Rio.

O ouro foi para Ledecky com 8:12.68, o segundo melhor recorde mundial do ano; prata para a Mentira Chinesa (8:15.46) e bronze para Smith (8:17.22). Estes dois nadadores baixaram o tempo com que chegaram a Budapeste.

O desenho da raça de Ledecky foi o esperado. O Washington nadou sozinho e fê-lo a um ritmo recorde até 350 metros.

Atrás, e à distância, moveu o chinês Li Bingjie e o americano Smith. O espanhol passou de menos para mais, mas hoje a estratégia não funcionou.

Ela começou a subir do sétimo lugar e fê-lo acompanhada pelo Boglarka Kapas local. Ela ultrapassou a Quadarella italiana e só a 350 metros é que estava em posição de atacar Smith.

No momento em que Belmonte teve de começar a cortar o segundo classificado americano, que ocupava o terceiro lugar durante praticamente toda a prova, ficou sem gasolina e os quatro segundos entre eles permaneceram praticamente até ao final.

A Badalona ficou em quarto lugar com 8:23.30 quando o seu tempo acreditado tinha sido 8:18.55, pelo que teve de baixar para se qualificar para a medalha, uma vez que Leah Smith levou o bronze com 8:17.22.

A prata foi para o Li Bingjie da China (8:15.46), terceira melhor marca do ano. Ahead Ledecky ganhou como queria com 8:12.68, o seu segundo melhor do percurso e mais de cinco segundos fora do seu recorde mundial.

Após a corrida, a espanhola admitiu que não se sentiu “muito bem fisicamente” antes de nadar. E é que Belmonte queixa-se de problemas semelhantes aos da gripe durante toda a semana, também quando conquistou as medalhas nas 200 borboletas e nas 1.500,

“Fiquei tonta e com muita dor de cabeça. Amanhã (nada os aquecedores dos 400 estilos) e espero ser melhor, porque enfrento o último teste e pronto, “ele disse.

p>Belmonte disse que nadar com Ledecky é como um visto e invisível. “Vê-se no início e até ao fim não se a vê, porque ela está sempre muito à frente”, disse ela.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *