Materiais utilizados na arte

Materiais são as ferramentas com que podemos desenhar, pintar ou esculpir; estudar os materiais utilizados ao longo da história da arte é importante tanto para o artista como para o espectador, porque entre muitas coisas, permite-nos conhecer as técnicas e os procedimentos artísticos utilizados, bem como a cultura da época.

A escolha do material a utilizar para a criação de uma obra de arte, é uma decisão transcendental; pode obedecer à decisão do próprio artista sobre o que ele quer transmitir, ou à exigência do cliente.

Como vimos desde o aparecimento do homem, e sentimos a necessidade de nos expressarmos e comunicarmos através de gráficos algo artísticos, tais como desenhos pré-históricos encontrados em cavernas e abrigos de montanha.

Cada civilização e cultura fez uso de materiais e técnicas artísticas, dependendo do clima do local e da finalidade a que as obras de arte se destinavam.

Os principais materiais utilizados na pré-história eram carvão vegetal, pigmentos à base de ferro vermelho e manganês preto, e também, por vezes, sangue e caseína, cada um misturado com gordura animal que servia como aglutinante.

Nas tribos indígenas, o homem artista aplicava um pouco de tinta nas suas zarabatanas ou fibras vegetais que lhe permitiam fixar na parede o pigmento feito misturado com gorduras animais.

Outras civilizações fizeram branco chumbo, algumas outras, obtiveram a cor conhecida como “sangue de dragão”, feito com um produto vegetal avermelhado, obtido a partir do fruto de uma árvore asiática.

Estes materiais artísticos continuaram a ser utilizados pelas civilizações posteriores, que ao longo do tempo foram aperfeiçoados pelos avanços introduzidos na era industrial do século XIX.

As para os instrumentos ou ferramentas utilizadas na arte de pintar são principalmente: a paleta, o pincel e a faca da paleta. Contudo, há um número considerável de ferramentas que podem ser úteis, especialmente se se quiser criar um suporte pictórico adequado.

Nos tempos pré-hispânicos utilizavam as taças ou conchas, onde colocavam as suas cores já misturadas, que foram substituídas por uma pequena paleta de madeira com fundo acastanhado, que continha numa extremidade um orifício para inserir o polegar que ajudava a segurá-lo firmemente.

Mais tarde, quando foram introduzidas preparações brancas, a paleta teve de ser substituída por outra de tons mais claros e brilhantes.

A paleta é utilizada para organizar as cores ao longo dos seus bordos, facilitando assim as misturas cromáticas nos quadrantes internos correspondentes

Agora actualmente é normalmente substituída por placas de metal ou vidro, tabuleiros de plástico e até tigelas que descansam sobre uma mesa.

A espátula, uma ferramenta manual utilizada para aplicar e espalhar todo o tipo de substâncias cremosas; misturar cores, misturá-las, aplicá-las e espalhar camadas de fundo e tinta, o que permite obter formas abertas de grande expressividade.

Existem diferentes formas e materiais, principalmente aço; no entanto, existem cores que não podem ter contacto com o metal, pela reacção química que provoca, pelo que também podemos encontrar espátulas feitas de chifre, marfim, osso ou borracha dura.

O pincel, é uma ferramenta que, numa extremidade com uma pega e na outra com cerdas, arames ou pêlos; utilizado principalmente para pintura.

No mercado há uma variedade de pincéis, a escolha do mesmo, depende do efeito que se pretende obter.

A escova redonda é ideal para perfis, desbotamentos e aplicações de cor em pequenas extensões; a escova de cabelo curto é útil para camadas espessas e firmes, enquanto que as escovas de cabelo comprido são utilizadas para estender a cor.

Também, os pintores vêm fazer uso de tubos de tinta, pedaços de pano e até as suas próprias mãos, para conseguir maior impacto e qualidade táctil.

No caso do desenhador-artista, os seus instrumentos são principalmente a caneta e o lápis.

Na antiga Mesopotâmia, o estilete ou estilete estilizado, que é semelhante a uma esferográfica moderna, o estilete tinha uma ponta prateada, que era utilizada em suportes de papel preparados com a China branca; contudo, no século XVII foi substituído pelo estilete com ponta de chumbo, que ao contrário do anterior, pode ser apagado e o suporte não necessita de preparação.

Agora, são também utilizados marcadores e canetas.

No caso da caneta, teve uma enorme evolução ao longo da história da arte, porque na antiguidade, utilizava as canas, aparos de aves como ganso, peru, corvo e cisne principalmente, para alcançar os actuais aparos metálicos.

Alguns outros elementos e técnicas dentro do cavalete de desenho, a regra, o borrão, o tiento; assim como o sangue, carvão, pastéis e ceras.

Nos tempos antigos para imprimir, o homem primitivo imergia as suas mãos em tinta para as aplicar numa superfície; contudo, graças à evolução tecnológica, podemos encontrar maquinaria para o processo de impressão ou impressão, como a prensa vertical, a prensa, a prensa litográfica, o método offset, e a moldura com o rodo flexível.

Reglar os métodos e máquinas utilizados para a manipulação de superfícies, tais como a burina, goiva, cinzel, cinzel, lâmina, raspador, brunidor, roleta, cinzel, raspador, para citar alguns.

P>Pode fazer uma boa obra de arte com qualquer um com qualquer material, mas não há dúvida que a apreciação da obra é condicionada em parte por ela.

p>Leia: “Conservação e restauro de obras de arte”p>Não se esqueça de subscrever o nosso Facebook para não perder nenhuma notícia!

.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *