Marketing japonês

Japão sempre teve uma imagem única aos olhos de muitos ocidentais. Especialmente quando se trata das suas campanhas únicas e extravagantes em publicidade e marketing

Por que é que os japoneses têm uma forma totalmente diferente de marketing em comparação com o mundo ocidental?

Uma investigação diferente sobre o assunto indica que a cultura afecta significativamente, e isto explica sem dúvida a forma como o marketing é realizado, pelo que o marketing japonês difere consideravelmente do marketing ocidental.

A palavra marketing embora tenha uma longa história e um significado claro em inglês, é bastante nova na língua japonesa. Por outro lado, há algumas palavras japonesas que têm um significado semelhante ao marketing, por exemplo, Shihan e Hanbai, mas ambas são traduzidas mais correctamente em comercial ou vendas. Não há nenhuma palavra japonesa que descreva com precisão o conceito e o processo de marketing. E a razão é simples, já o fazem naturalmente há muito tempo.

Criatividade como principal ferramenta de marketing.

Criatividade é a ordem do dia no Japão. Em cada rua, esquina ou bar encontra conceitos criativos. Desde hotéis com a figura do Godzilla a rugir de manhã cedo para o acordar, até uma miríade de cores extravagantes, letras, sons e “cosplayers” que o movem para o futuro tecnológico. A publicidade e o marketing japonês em geral estão altamente associados à criatividade. Transmitem emoções colectivas através de estratégias de histórias que aos ocidentais podem parecer incoerentes, mas dentro da cultura japonesa causam sensações únicas que exigem a compra de produtos do quotidiano.

Qual é a principal diferença entre o marketing japonês e o marketing ocidental?

Normalmente nos anúncios japoneses, o logótipo da empresa é mostrado com muita frequência, isto é devido à cultura colectivista. Para compreender a diferença entre o marketing ocidental e japonês, é preciso pensar nas relações entre atitude e comportamento. Os clientes ocidentais têm culturas individualistas, ou seja, querem coerência entre as suas atitudes, sentimentos e comportamentos. Isto é utilizado para prever o comportamento do cliente com base nas suas atitudes em relação a diferentes produtos e serviços. Contudo, os clientes nas culturas colectivistas tendem a não ter o mesmo desejo; não procuram consistência entre atitude e comportamento. Portanto, nas culturas colectivistas não é possível determinar a atitude em relação aos anúncios como nas culturas individualistas. No Japão, o sucesso de uma campanha de marketing não pode ser medido utilizando os mesmos métodos que nas sociedades ocidentais ou individualistas, uma vez que estas não são capazes de prever com precisão o comportamento dos consumidores. Por esta razão, o método ou estratégia muda completamente.

No Ocidente, as marcas costumam fazer branding com celebridades relevantes que estão a causar um grande impacto na altura. Contudo, no Japão associam as suas marcas a personagens fictícias da conhecida “anime”. Gestos, sons e sobretudo imagens coloridas e altamente expressivas são e têm sido a essência do marketing japonês durante muitos anos. Por esta razão, pode dizer-se que foram um dos pioneiros da comercialização no mundo. O que pensa?

O que pensa?

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *