Magenta: a cor imaginária.

X

Privacidade e bolachas

Este site utiliza bolachas. Ao continuar, está a concordar com a sua utilização. Saiba mais; por exemplo, sobre como controlar os cookies.

Understood

/div>

div>>div>div>Advertisements

/div>

Estritamente falando, todas as cores são imaginárias. A cor é a forma como o nosso cérebro processa os diferentes comprimentos de onda do espectro da luz. Consiste numa gama de frequências de radiação electromagnética. A luz vermelha tem o maior comprimento de onda, enquanto a luz violeta é a mais curta. Esta luz viaja para os nossos olhos e é “sentida” pela retina. Cada comprimento de onda distinto é reconhecido e o cérebro gera uma sensação a que chamamos cor.

Due à complexidade da natureza, os nossos olhos recebem constantemente ondas de comprimentos variáveis. O cérebro tem de dar sentido à variedade e formar cores, somando os impulsos recebidos na retina. Por exemplo, se a luz vermelha e verde for percebida ao mesmo tempo, o cérebro processará a soma e nós “veremos” a cor amarela. Este é o princípio usado no monitor que você (muito provavelmente) usa para ler este artigo.

Mas não somos capazes de interpretar todos os comprimentos de onda como cor, a nossa visão limita-se a receber impulsos que vão do violeta ao vermelho e haverá objectos que reflectem padrões mais complicados, por exemplo: E se o nosso cérebro tiver de processar a luz proveniente de ambos os extremos do espectro?

Se o cérebro processasse a luz da mesma forma que processa para as outras cores, veríamos “verde”. No entanto, o nosso sistema de visão foi concebido para nos ajudar a interpretar o nosso meio envolvente, tendo um resultado tão pouco representativo não seria útil. É por isso que a nossa cabeça gera uma ideia alternativa. Inventa uma cor para resolver o problema: a cor magenta.

Círculo cromático
Círculo cromático

Na imagem podemos ver o círculo cromático que o nosso cérebro cria para dar sentido aos impulsos de luz que são percebidos na retina. É aqui quando o papel do magenta como junção dos impulsos extremos é evidente. Com este método, o cérebro é capaz de processar todas as ondas que chegam e atribuir-lhes uma cor, caso contrário, haveria um intervalo entre os 180º e 270º deste círculo mental. Porque no mundo fora das nossas cabeças, os comprimentos de onda da radiação electromagnética estendem-se, em princípio, ao infinito em ambas as direcções.

Electromagnetic spectrum.
Electromagnetic spectrum. (Detalhe mostrando a fracção interpretada como luz visível.)

É por isso, embora todas as cores sejam criadas na mente. Podemos afirmar com segurança que o magenta é uma cor única para as nossas mentes. Nenhuma coisa no universo emite luz em magenta porque é uma cor que não tem um comprimento de onda próprio, mas tem uma atribuição individual no nosso cérebro.

Sellek Daniel

Elliott, L. (n.d.). A Magenta não é uma Cor. Recuperado de Biotele: http://www.biotele.com/magenta.html

P>PANTONE. (n.d.). Como é que vemos a cor? Recuperado do PANTONE Color Think Tank: http://www.pantone.com/pages/pantone/Pantone.aspx?pg=19357&ca=29

http://www.pantone.com/pages/pantone/Pantone.aspx?pg=19357&ca=29

PANTONE.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *