Estudos internos que alteram o termo “Menores Estrangeiros Desacompanhados” (MENA) para um “mais igualitário”

SAN LORENZO DE EL ESCORIAL (MADRID), 4 Jul. (EUROPA PRESS) –

O Ministério do Interior está a estudar a possibilidade de alterar a denominação de Menores Estrangeiros Desacompanhados (MENA) por Crianças e Adolescentes Migrantes Desacompanhados (NNAMNA), segundo o chefe da Materialização da Unidade Central de Expulsões e Repatriações, Bernardo Alonso Matellán, afirmou quinta-feira.

O inspector chefe especificou que a expressão “raparigas e rapazes” está a ser contemplada em nome da “igualdade”, porque o termo “menores” é demasiado “geral”. Foi isto que ele explicou durante a conferência “CIES E MENAS”. Ambientes de especial vulnerabilidade’, dados como parte dos Cursos de Verão de El Escorial (Madrid).

Os conhecidos como ‘MENA’ são as crianças e adolescentes, menores de 18 anos, de origem estrangeira, que estão separados dos seus pais e que não estão sob os cuidados de nenhum adulto. De acordo com dados fornecidos à Europa Press, em 31 de Junho de 2019, a Espanha tinha um total de 12.301 menores migrantes não acompanhados protegidos ou sob tutela pelos serviços de protecção de menores das comunidades autónomas, para os quais o Governo aumentou os fundos em 2018 para 38 milhões com o objectivo de melhorar os seus cuidados.

As ONG de carácter social, como a Fundación Raíces, expressaram repetidamente a sua rejeição do termo “MENA”, argumentando que este é discriminatório e que criminaliza estas crianças.

Por outro lado, durante o seu discurso, Alonso Matellán assinalou que, apesar da existência de acordos de readmissão assinados entre Espanha e países terceiros para poder repatriar estes menores para o local de onde provêm, “estes não são postos em prática”.

Em várias ocasiões, o Ministro do Interior em exercício, Fernando Grande-Marlaka, tem sido a favor da reactivação do acordo assinado entre Espanha e Marrocos para devolver estes menores “sempre em termos de segurança” e respeitando o melhor interesse da criança.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *