A essência das palavras

Palavras nascem com um significado que por vezes desconhecemos. A etimologia permite-nos saber o que foi, como cada palavra é composta e como, a partir daí, foram transformadas (em alguns casos para perderem o seu significado original) de acordo com períodos e culturas históricas.

Como afirmou o Professor Fernando Muñoz no seu livro espanhol em síntese: “De algumas palavras básicas, como do tronco de um ramo de árvore, apareceram vários termos derivados, que de uma forma ou de outra se referiam à palavra primitiva. Da flor apareceu para desabrochar, o florista, o floricultor, para florescer, a linguagem floral. Além disso, do hábito humano, tão antigo como a própria humanidade, de comparar uma coisa com outra, nasceu a metáfora (etimologicamente, de carregar ou transferir o significado de uma palavra para outra porque há entre elas alguma semelhança), o que de facto enriqueceu o significado original das palavras”

Aqui estão algumas palavras e a sua etimologia.

Educar: do latim educare, vem do educere, que se divide em: ex: (de) e ducere (guia, chumbo). Educar seria orientar a pessoa para trazer o melhor de si mesmo, para desenvolver todo o seu potencial.

p>Aluno: Do ex-aluno latino, que vem de alére (para alimentar). Pessoa que é alimentada. No início, o ex-participante referia-se basicamente à criança que por instinto biológico se alimenta do peito da sua mãe. Eventualmente veio a ser entendida como a pessoa que se alimenta do conhecimento.

Estudante: Esta palavra é formada a partir do substantivo latino studium: estudar, que vem do verbo studeo, para estudar. Originalmente, em latim, estudar referia-se a algo a que a pessoa dedicava uma atenção especial, e em grego significava colocar muito esforço nalguma actividade. Mais tarde, estudar tornou-se o que sabemos hoje: “Exercitar o entendimento para alcançar ou compreender algo” (RAE).

Mestre: Vem do magister latino (em magistrado acusativo), aquele que mais conhece e, portanto, dirige os outros. Magis é ‘mais’, e ter é um sufixo indo-europeu que contrasta dois opostos, por exemplo magister-ministro-mestre-ministro.

Minis é ‘menos’ e magis é ‘mais’. Portanto, o mestre é o que tem mais conhecimentos e o ministro o que tem menos, e é por isso que o mestre poderia ser o chefe do ministro. No passado, no entanto, o director da escola chamava-se ‘lixeira’. Foi ao longo dos anos que o termo foi adoptado para pedagogia.

Professor: Do professor latino. Provém do verbo profiteor, aquele que declara ou fala em frente das pessoas. Acabaria por significar alguém que fala em frente dos estudantes.

p>Professor: Do latim docens, aquele que ensina, que vem do verbo docere, para ensinar. Docere tem a raiz indo-europeia dek, que significa pensamento ou aceitação.

Gymnasium: do ginásio latino, da ginasão grega. Local para exercício. A palavra perdeu gradualmente o seu outro significado: lugar de aprendizagem, que já não é entendido como tal se não estiver relacionado com o nome de uma escola.

Escola: do grego scholé: lazer, tempo livre. O latim transformou esta palavra em schola, que também usa como ludus (jogo), também treino e divertimento. O tempo livre e o lazer foi entendido pelos gregos como o espaço a cultivar, a aprender, em vez de se envolverem em outros trabalhos que não o alimentavam.

Universidade: do latim universitas, que surge do adjetivo universus, tudo, universal, e este vem do inusitado (um). Nas suas origens, as universidades referiam-se a instituições, associações, corporações, mas não a um lugar que necessariamente concentrasse pessoas para estudar. Desde a Renascença, começou a ter o significado de instituição de ensino superior.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *